29 de fevereiro de 2016

RESENHA | Prince Of Thorns — Mark Lawrence

Título: Prince Of Thorns (Trilogia dos Espinhos #1)
Título Original: Prince Of Thorns
Autor: Mark Lawrence
Editora: DarkSide Books
Páginas: 360
Lançamento: 2013
Onde comprar: Buscapé

Sinopse:

Tem início a Trilogia dos Espinhos: Ainda criança, o príncipe Honório Jorg Ancrath testemunhou o brutal assassinato da Rainha mãe e de o seu irmão caçula, William. Jorg não conseguiu defender sua família, nem tampouco fugir do horror. Jogado à sorte num arbusto de roseira-brava, ele permaneceu imobilizado pelos espinhos que rasgavam profundamente sua pele, e sua alma. O príncipe dos espinhos se vê, então, obrigado a amadurecer para saciar o seu desejo de vingança e poder. Vagando pelas estradas do Império Destruído, Jorg Ancrath lidera uma irmandade de assassinos, e sua única intenção é vencer o jogo. O jogo que os espinhos lhe ensinaram.

“O melhor livro que li nos últimos anos.” — Peter V. Brett, autor da Trilogia Ciclo das Trevas
Opinião:

Sangue do seu sangue foi derramado. As cicatrizes deixadas pelos espinhos em seu rosto são lembranças vivas e diárias do mal que debulhou sua alma. A prosperidade não está mais em seu mundo, a escuridão se abateu sobre a terra...
"Eu lhes contei das coisas que havia feito. Das coisas que seria capaz de fazer. Numa voz suave, contei meus planos para que todos pudessem ouvir. Então os mortos se retiraram."
Sua sede por vingança cresce a cada segundo. Jorg quer resgatar o que lhe foi tirado, portanto, dedica-se a conhecer a arte da guerra, aos onze anos junta-se a um bando de assassinos e juntos se enveredam por caminhos desconhecidos de um Império Destruído. Com o passar dos anos seus conhecimentos, sua força e seu ódio só aumentaram. Qual será o próximo passo? Que direções seguir? Muitas coisas irão acontecer, batalhas serão travadas, laços serão atados e rompidos com violência.

“Assassinar é o mesmo que matar, mas com um toque extra de precisão.”
O livro é narrado, no presente e em flashbacks do passado, sob o ponto de vista do protagonista Príncipe Honório Jorg Ancrath, o que nos deixa muito próximos do personagem, transportando-nos para sua mente sociopata e vingativa. O autor construiu Jorg aos poucos no decorrer do texto, trazendo sua personalidade para as páginas, mostrando seu lado frio, egoísta e sem pudor. Os demais personagens também são bem arquitetados, mesmo que num nível um pouco menos detalhado.
"Vou lhes dizer: o silêncio quase me derruba. É o silêncio que me apavora. A página em branco na qual posso escrever meus medos. Os espíritos dos mortos não têm nada a ver com isso. Aquele morto tentou me mostrar o inferno, mas não passou de uma pálida imitação do horror que sou capaz de pintar na escuridão de um momento quieto."
Com os cenários o autor não foi muito descritivo, nos mostrou apenas o que Jorg quis revelar, o que de certa forma, nos induziu a imaginar os detalhes do mundo a sua volta, que pelo que sabemos fora deixado pelos enigmáticos Construtores. As batalhas, no entanto, são muito bem descritas, bem como as perversidades derivadas dela. O livro tem uma narrativa rápida como o corte de uma espada, mas no início me vi perdido tendo que voltar algumas páginas. Porém tudo se ajeita com o decorrer da história, vamos nos misturando feito cinzas no ar e quando menos se espera, já estamos dentro do livro, caminhando ao lado de Jorg e seus amigos facínoras. 
Mundo criado por Mark Lawrence, onde se passa a Trilogia dos Espinhos e A Guerra da Rainha Vermelha.

"Alguns homens conseguem acertar na mosca a centenas de metros. Eles não miram melhor porque assim desejam, não são mais certeiros porque defendem o que é justo. Eles apenas atiram com mais precisão. Agora, quanto a mim...eu apenas me vingo melhor do que a maioria. Você pode considerar um dom."
Mark Lawrence nos brinda com uma fantasia diferente, um mundo medieval banhado por obscuridade, de fantasmas a necromantes, com um quê de mundo pós-apocalíptico (que espero ser um pouco mais desenvolvido ao longo da trilogia). Uma combinação diferente que deu certo. Referências da nossa cultura estão presentes em várias partes do livro, como o cristianismo, alguns filósofos e pensadores, ou mesmo tecnologias da nossa época.
''Você só pode vencer o jogo quando entende que se trata de um jogo. Deixe um homem jogar xadrez e diga a ele que todos os peões são seus amigos. Diga que ambos os bispos são santos. Faça-o lembrar de dias felizes à sombra das torres. Deixe-o amar sua rainha. Veja-o perder tudo.''
Príncipe Honório Jorg Ancrath

Não poderia deixar de comentar o quão inigualável é a edição feita pela DarkSide Books, os materiais utilizados, a diagramação, o design... tudo é perfeito, da capa ao miolo. Dá para perceber o carinho que a Editora tem com seus leitores, é uma coisa que vem da alma e que fascina aos olhos. Não só por isso, mas pelo todo, o livro recebe
Book Trailer:
Já comprei os dois próximos livros da Trilogia dos Espinhos, e pelo que ouvi dizer, eles são ainda melhores que o primeiro, então aguardem que logo mais teremos a resenha deles aqui no blog. Para saber mais sobre os dois livros basta clicar nas imagens abaixo:
http://www.darksidebooks.com.br/king-of-thorns/  http://www.darksidebooks.com.br/emperor-of-thorns/

2 comentários:

  1. Ai gente, a Darkside faz cada coisa linda que meu coração fica na mão. <3
    Sou mega suspeita em falar que já tinha interesse nesse livro, pois sou super paga-pau da editora, mas você ter gostado só me anima, já que temos um gosto muito parecido.

    Abraços! :)
    Mago e Vidro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tisa,

      Também amo a Darkside, eles sempre fazem um ótimo trabalho né?
      Não achei um livro "Patrick Rothfuss" de qualidade, mas é ótimo.

      Excluir