21 de agosto de 2016

RESENHA | A Garota No Trem — Paula Hawkins

Título: A Garota No Trem
Título Original: The Girl On The Train
Autor: Paula Hawkins
Editora: Record
Páginas: 378
Lançamento: 2015
Onde comprar: Buscapé

Sinopse:

Um thriller psicológico que vai mudar para sempre a maneira como você observa a vida das pessoas ao seu redor.

Todas as manhãs, Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas d’água, pontes e aconchegantes casas.

Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes — a quem chama de Jess e Jason —, Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess — na verdade Megan — está desaparecida.

Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos.

Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, A Garota No Trem é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado.

Opinião:

Está preparado(a) para embarcar nesta viagem?

Sente-se no assento da janela, onde poderá apoiar sua cabeça no vidro e sentir sua gélida superfície em contato com o rosto, onde poderá ser tocado(a) pela brisa que atravessa a fresta e traz os aromas lá de fora. É um lugar privilegiado, onde poderá ver tudo o que se mostra pelo caminho: luzes, formas e cores.

O trem dá a partida e vai acelerando lentamente até atingir uma velocidade aparentemente constante, você ouve o barulho da máquina, o som ritmado das rodas em contato com o trilho, o som das pessoas conversando... Começa a viajar não só no espaço, mas no tempo e nos pensamentos, sua cabeça divaga para longe...

De repente, você sente solavancos e percebe que o trem está diminuindo a velocidade até parar no sinal vermelho. Você acorda de seus devaneios, da hipnose causada pelo cadenciado movimento do trem, e foca seus olhos na paisagem lá fora. O que você vê são as mesmas casas, as mesmas árvores, os mesmos pássaros, o mesmo casal???

O sinal abre e o trem volta a acelerar. Ele segue sempre em frente, mas o que você viu lá fora hoje não está certo. Algo diferente está acontecendo na casa de número 15. O que pode ser? O que você pode fazer?
“Pensar nela assim me deixa feliz e triste ao mesmo tempo, e então me sinto culpada por me sentir triste. [...] Não, é porque acho que já faço parte desse mistério, que estou conectada a ele. Não sou mais só uma garota no trem, indo e vindo sem motivo ou propósito. Quero que Megan reapareça sã e salva. Quero, sim. Mas não agora.” — Pág. 108
Fazia tempo que eu não devorava um livro tão rápido, foram dois dias de uma leitura agradavelmente compulsiva. O texto que escrevi ai em cima foi uma tentativa de passar a vocês o que a autora me fez sentir a todo instante: a inserção no texto e na mente dos personagens.

Rachel é uma mulher que não está numa boa fase da vida. Não bastasse ela ter se divorciado e ido morar com sua amiga Cathy, ainda tornou-se uma pessoa instável e alcoólatra. E essa triste condição vivida pela personagem foi muito bem trabalhada ao longo do livro, narrando sua dependência e luta contra o vício.
“[...] Sei que não deveria estar bebendo, mas passei o dia todo planejando esse momento. Não foi só a expectativa de estar sozinha; é a excitação, a adrenalina. Estou vibrando, minha pele está arrepiada. O dia foi bom.” — Pág. 119
Paula Hawkins conduz sua trama como o maquinista conduz seu trem. Ela parte do repouso e vai acelerando aos poucos, fazendo com que nosso coração pulse ao ritmo do trem e assim utiliza nosso sangue e adrenalina como combustíveis em sua viagem pela mente humana.

Como um trilho, a trama da autora tem começo, meio e fim. Ela nos faz reféns de sua escrita, nos conduz por cruzamentos onde não sabemos por qual caminho seguir. Num momento acreditamos em uma coisa, e na página seguinte toda a nossa teoria parece ter sido em vão, novos fatos surgem e a trama segue outro rumo.
“A familiaridade não está só na minha cabeça, mas em meus ossos; é uma memória muscular. Hoje de manhã, quando ultrapassei a boca escura do túnel, a entrada da passagem subterrânea, apertei o passo. [...] Nunca havia ninguém lá — nem em nenhuma daquelas noites, nem hoje — e, ainda assim, travei ao olhar para aquela escuridão hoje de manhã, porque de repente me vi. Eu me vi alguns metros lá dentro, caída junto à parede, a cabeça entre as mãos, e tanto a cabeça quanto as mãos sujas de sangue.” — Pág. 82 
O livro é narrado em primeira pessoa por três pontos de vista distintos que se intercalam ao longo dos capítulos. Aos poucos vamos conhecendo os personagens, tanto física quanto psicologicamente. O mistério criado acrescido de todos os demais elementos presentes no livro, fazem com que A Garota no Trem seja um thriller psicológico de primeira, o que me faz avaliar em
O filme baseado no livro está sendo gravado e tem estreia prevista para outubro segundo as últimas notícias divulgadas. Abaixo, segue o trailer do filme, mas já adianto que ele revela bastante coisa do enredo, então se não quiser spoiler, NÃO ASSISTA! Mas o filme promete ser muito bom, assim como o livro.

Trailer:

6 comentários:

  1. Oláaa! Fiquei muito curiosa com esse livro! E tive ainda mais vontade de ler! :)
    Estilo de livro que gosto...Abs. Helen
    www.helenrosa.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Helen, que bom que ficou ainda com mais vontade ler. Dá um jeitinho de ler logo então para ver o filme depois. hehe

      Abraços

      Excluir
  2. Oi, Matheus! Adorei tua resenha e a relação com o trem.
    Thriller gostoso de devorar. Estou ansioso para assistir a adaptação cinematográfica... parece que vai ser ótima!
    Abraços
    Blog do Ben Oliveira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ben,
      Obrigado. :3 Thrillers são ótimos, ainda mais se bem escritos. E esse filme me parece que vai ser muito bom. Que tenha qualidade como teve o Garota Exemplar.

      Abraços

      Excluir
  3. É Matheus... parece bem bom o livro! Vou ler!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E é bem bom mesmo. Não deixe de ler, e quando o fizer, volte aqui pra me dizer o que achou.
      Grande Abraço.

      Excluir